O FNM e a graxa

Lá pelo ano de 1977 quando eu tinha um FNM 62, era freguês do posto 58 do Luizão. Toda semana eu chegava para abastecer, descia do FNM e tampava os faróis dele com jornal e ia tomar banho. Todos os frentistas já me conheciam… um dia eu cheguei e encostei o FNM, tampei os faróis, peguei a roupa, toalha e pasta jóia, um pouco de diesel e fui tomar banho.

Quando voltei um frentista novo no posto veio me perguntar: Por que tapava os faróis? E eu respondi: Meu rapaz, isso é uma coisa normal, para mim, pois se esse ….. me vê limpo ele quebra aí parado, sem precisar andar. Isto é a mais pura verdade.

Desculpe os borrões, pois acho que é um pouco de graxa que ficou daquele tempo…

P.S. o negrito é a graxa…

Ito Bir

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: