Cuidados com a restauração

9 de março de 2009

Amigos entusiastas da marca FNM, veja o que pode acontecer com restaurações de ‘especialistas’ de FNMs.

Este caminhão foi ‘restaurado’ em oficinas da região de Londrina e Cambé.

Veja que ‘bela aparência’.

Bonito caminhão.

DSC04015

Não resta dúvida de que é um belo caminhão.

DSC04161

Bem, eis que pequenas bolhas aparecem na pintura, sem nenhuma razão aparente.

Veja o que havia sob a massa.

DSC04576

DSC04577

Ou seja, o caminhão que nas fotos iniciais estava lindo e maravilhoso, simplesmente apresentava este tipo de trabalho.

Cuidado redobrado com oficinas.

Portanto ao restaurar um veículo, veja primeiro a qualidade de quem ira fazê-lo.

DSC04491

DSC04489

Anúncios

Na grade, o mapa do Brasil

3 de março de 2009

Você sabia que foi lançado uma série de cabinas standard FNM da fabricante Amalcaburio cujo símbolo dianteiro era o mapa do Brasil?. Veja a foto abaixo:

LastScan0 004 001


FNM na guerra

2 de março de 2009

Veja estas imagens, trata-se da participação do Brasil na batalha de Suez, faixa de Gaza. Os FNMs estavam presentes como caminhão de transporte.

Ao fundo uma pirâmide.

4contisid30

4contisid29

4contHenriqueArnoldoReimer124contisid26


Motor D-11.000 bem cuidado

24 de fevereiro de 2009

Vejam a foto do motor D-11.000 do amigo Magno. É o cuidado com a máquina. Parabéns Magno.

PhotoMail Image 39-650-1

 

!AĴĈ


Motor D-9.500

22 de fevereiro de 2009

Veja o motor D-9.500, ano 1955. Equipa um caminhão com cabine brasinca todo original.

Note que este motor tem dois cabeçotes, diferente do D-11 que são 3 cabeçotes, a bomba injetora é do lado esquerdo em conjunto ao compressor que tem somente um pistão.

DSC04561


Bolo de casamento FNM

8 de janeiro de 2009

Nosso amigo e colaborador Victor Schimit e o bolo do seu casamento, além é claro do amor e paixão pela esposa, demonstrou também nessa importante hora sua ‘outra’ paixão.

Parabéns Victor!. Esperamos que suas paixões continuem…


Apelidos dos FNMs

5 de janeiro de 2009

Por Miklos G. Stammer.

a) “Apelidos” do caminhão FNM :

Alfa ( ou “Arfa” ) – no sul do país.
Barriga D’Água – Os fenemês fabricados em 1958, cujo motor apresentava vazamento de água no bloco.
Bi-ta-tá – na Bahia, devido ao seu ronco inconfundível.
Brasa ou Churrasqueira – principalmente os modelos até 1957, no norte do país (diziam que os seus motoristas tinham sempre os pêlos das pernas queimados pelo calor do motor – principalmente na época dos D-9.500).
Dois Salários – por causa das 2 alavancas no painel: reduzida e freio montanha, e depois, nos D-11.000, só da reduzida + câmbio.
Fênêmê / Fenemê
João Bobo – Pois “vai e volta sem parar” ( = é confiável; este foi um dos epítetos mais conhecidos), ou porque “carrega tudo o que lhe põem em cima”.
Pau Velho – os D-9.500, depois que lançaram o D-11.000.
Suruanã (tartaruga verde) – os com cabine Brasinca pintada de verde 2 tons, também chamados de Urutú, (cobra dessa cor).
Boca-de-Bagre – o 2º tipo de Brasinca, devido ao formato de sua grade frontal.
Sapão – Os que tinham cabine Metro.
Televisão – Os com cabine tipo 180, por causa do formato da sua grade frontal.

b) Sigla

A sigla da Fábrica Nacional de Motores era preenchida assim por alguns (jocosamente):

Fábrica de Notas de Mil
Feliz Natal Manoel
Fiquei Na Merda
Feio, Nojento e Mole
Fé No Motorista
Ferro No Motorista
Fumo No Motorista
Fumo no Norte é Mato (por serem fumaçentos)
Favor Não Mexer

c) Diversos:

Frase de propaganda muito divulgada nos anos 50: “O Brasil produz e o caminhão fenemê conduz”.

Expressão popular entre os caminhoneiros: “FNM não tem idade” (só depende de boa manutenção, pois é naturalmente confiável e durável).

No início dos anos 60 existia no Rio de Janeiro a “Rádio FeNeMê”.

Dizia-se na época que “alfeiro de verdade não deixa a porta bater na bunda quando sobe na cabine”.

Em 1968, os FNMs representavam 61% do mercado brasileiro de caminhões pesados;
Em 1972, os FNMs representavam 64% do mercado brasileiro de caminhões pesados;